AgirAzul Memória
Todo o conteúdo editorial da publicação em papel de 1992 a 1998
Pesquise em todo o conteúdo

 AgirAzul 13

Leitura Obrigatória

Agentes químicos sintéticos alteram os sistemas hormonais

Lançado em português o livro O Futuro Roubado: continuação de A Primavera Silenciosa

É editado no Brasil um dos livros mais importantes sobre os efeitos de produtos que estão sendo condenados pelos ecologistas mundiais há mais de trinta anos. Baseado em trabalhos científicos de vários centros de pesquisa, inclusive universitários e feitos por profissionais da área médica

O Futuro Roubado - L&PM Editores, Porto Alegre, 1997.  De  Theo Colborn, Dianne Dumanoski e John Peterson Myers, 354  páginas. Prefácio à edição brasileira por José A. Lutzenberger e, à edição original americana, de Al Gore, vice-presidente dos EUA. Indicação editorial: Cooperativa Ecológica Coolméia. Tradução: Cláudia Buchweitz - Revisão técnica: Jacques Saldanha e Maria José Guazzelli.

Os organoclorados e outros produtos estão causado uma profunda alteração na base da sobrevivência dos seres vivos do planeta. Eles causam desfunções hormonais levando à masculinização das fêmeas e à feminilização dos machos. Na espécie humana, já há uma queda em 50% da fertilidade pela progressiva destruição dos espermatozóides.

Al Gore, vice-presidente dos Estados Unidos assinou o prefácio à edição original  americana, de 1996, onde afirma que:  acima de tudo, como os agentes químicos industrializados são o setor mais importante da economia globalizada, qualquer tipo de prova que relacione estes produtos a problemas na saúde pública inevitavelmente causará controvérsia. Contudo, está claro que a pesquisa científica por trás de o "Futuro Roubado" propõe questões inquietantes e urgentes que precisam ser discutidas.

Este livro deve ser visto como uma continuação aprofundada e atualizada do alerta de Rachel Carson que, em 1962, com seu livro Primavera Silenciosa, foi um marco de repercussão planetária para a consciência ecológica e que desencadeou o movimento das entidades não-governamentais de luta ambiental,diz José Lutzenberger no Prefácio à Edição Brasileira.

Wingspread

Em julho de 1991, um grupo de cientistas se reuniu para discutir suas preocupações em relação à disseminação e efeitos dos agentes químicos. A Declaração de Wingspread,  como é conhecido o documento final do encontro,  espelha o consenso conseguido entre os presentes e está publicada na íntegra no livro O Futuro Roubado, como apêndice.

O ponto 1 da Declaração afirma que:

Temos certeza de que: um grande número de agentes químicos sintéticos que foram lançados no ambiente, assim como alguns agentes naturais, podem alterar o sistema endócrino dos animais, inclusive o dos seres humanos. Entre estes agentes se encontram os compostos organo-halogênicos persistentes e biocumulativos que incluem alguns agrotóxicos (fungicidas, herbicidas e inseticidas) e agentes químicos industriais, além de outros agentes sintéticos e alguns metais.

Muitas populações de animais silvestres já foram atingidas por tais compostos. Os impactos observados incluem disfunções da tireóide em aves e peixes; diminuição da fertilidade entre aves, peixes, moluscos e mamíferos; queda na produção bem-sucedida de filhotes entre aves, peixes e tartarugas; deformações congênitas grosseiras em aves, peixes e tartarugas;  anomalias metabólicas em aves, peixes e mamíferos; anomalias comportamentais entre pássaros; demasculinização e feminilização de aves, peixes e mamíferos do sexo masculino; e comprometimento do sistema imunológico de pássaros e mamímeros.

O padrão dos efeitos varia entre espécies e entre compostos. Contudo, é possível estabelecer quatro pontos gerais: (1) os agentes químicos em questão podem ter efeitos completamente diferentes sobre embrião, feto ou organismo perinatal, de um lado, e sobre seres adultos, de outro; (2) na maioria dos casos, os efeitos se manifestam na prole, não nos pais expostos à contaminação; (3) o momento da exposição do organismo em desenvolvimento é fundamental na determinação de seu caráter e potencial futuro; e (4) embora a exposição durante o desenvolvimento do embrião seja crítica, manifestações óbvias podem surgir apenas quando o indivíduo atingir a fase adulta.

Os estudos de laboratório corroboram os registros de anomalias no desenvolvimento sexual observados em pesquisas de campo e fornecem mecanismos biológicos para explicar os fenômenos observados entre animais silvestres.

Os seres humanos também foram atingidos por compostos dessa natureza. O DES (dietilestilbestrol), um agente terapêutico sintético, como muitos dos outros compostos mencionados acima, tem efeitos estrogênicos. As filhas de mulheres que receberam DES apresentam índices mais elevados de adenocarcinoma de células claras, além de várias anomalias no trato genital, gravidez anormal e mudanças nas suas respostas imunológicas. Tanto os meninos  os meninos quanto as meninas que foram expostos ao DES no útero sofrem de anomalias congênitas no sistema reprodutivo e apresentam redução da fertilidade.  Os efeitos observados em seres humanos expostos ao DES in utero são comparáveis àqueles observados em animais silvestres contaminados ou em animais de laboratório, sugerindo que os seres humanos podem estar correndo os mesmos riscos ambientais que afetam os animais silvestres. (LJLS/JBSA)

  1. Futuro Roubado, encontrável nas melhores livrarias brasileiras. Em Porto Alegre, também na Cooperativa Ecológica Coolméia - av. José Bonifácio, 645, sobreloja, ou na banca do livreiro Augusto César Carneiro, na Feira dos Agricultores Ecologistas, aos sábados pela manhã (em frente à Igreja Santa Teresinha, na av. José Bonifácio).